Mitos & curiosidades sobre as aves

Mitos sobre as aves brasileiras

Pretende-se aqui desmistificar crenças sobre as aves, muitas vezes prejudiciais a elas, já que podem estimulam sua perseguição. Não foram incluídas muitas lendas, que seriam aquelas histórias sem nenhuma credibilidade ou com credibilidade apenas em grupos muito restritos. Algumas vezes a distinção entre lenda e mito foi difícil, nestes casos, por via das dúvidas as incluímos aqui. Serão bem vindas indicações de outros mitos bem como outros esclarecimentos sobre a origem dos mitos aqui relacionados.

O joão-de-barro e sua esposa traidora

 

O joão-de-barro construindo o ninho. Foto: David Dinhani.

 

Há uma crença popular, inclusive mencionada em literatura ornitológica, de que o joão-de-barro, Furnarius rufus, empareda dentro do ninho a fêmea que o tenha traído. Pessoas adultas, mesmo com relativa experiência de vida, afirmam isto com convicção. Esta estória imputa ao joão-de-barro duas pechas. Primeiro, a de que suas esposas são capazes de trair. Segundo, a de que os maridos são capazes de cometer assassinatos passionais.

 

Luiz Fernando Figueiredo explica que este mito pode ter surgido de dois fatos. O primeiro é que alguns ninhos abandonados do joão-de-barro são aproveitados por abelhas indígenas como a uruçú-mirim, para fazerem sua colméia. As abelhas fecham a entrada do ninho com uma cera, dando a impressão de ter sido fechado pela ave. Olhando-se mais atentamente nota-se o engano.

 

Outra explicação, certamente a verdadeira, é de que Hudson, em uma obra de 1920, cita um interessante episódio ocorrido em Buenos Aires. Uma das aves (não foi possível saber se macho ou a fêmea, pelo fato de serem muito parecidos) foi acidentalmente pega em uma ratoeira que lhe quebrou ambos os pés. Após liberada com muita consternação por quem havia armado a ratoeira, voou para o ninho onde entrou e não foi mais vista, ali morrendo certamente. O outro membro do casal permaneceu por ali mais dois dias, chamando insistentemente pelo parceiro. Em seguida desapareceu retornando três dias após com um novo parceiro e imediatamente começaram a carregar barro para o ninho, fechando a sua entrada. Depois construíram outro ninho sobre o primeiro e ali procriaram. Hudson viu este fato como mais uma "qualidade" do joão-de-barro, por ter tido o cuidado de sepultar sua parceira.

É possível que esta história, publicada originalmente em um periódico científico, tenha sido divulgada muitas vezes em revistas e jornais, como acontece hoje com diversos assuntos, tornando-se logo de domínio público. Acontece que toda história contada e recontada repetidamente, vai incorporando um pouco do floreado ou mesmo da fantasia de cada um, acabando muitas vezes com seu real sentido totalmente desfigurado. Tudo indica que foi o que aconteceu neste caso.

 Uma música popular, chamada "João-de-barro", também deve ter contribuído para popularizar essa estória:

O João de Barro, pra ser feliz como eu
Certo dia resolveu, arranjar uma companheira
No vai-e-vem, com o barro da biquinha
Ele fez sua casinha, lá no galho da paineira
Toda manhã, o pedreiro da floresta
Cantava fazendo festa, pra aquela quem tanto amava
Mas quando ele ia buscar o raminho
Pra construir seu ninho seu amor lhe enganava
Mas como sempre o mal feito é descoberto
João de Barro viu de perto sua esperança perdida
Cego de dor, trancou a porta da morada
Deixando lá a sua amada presa pro resto da vida
Que semelhança entre o nosso fadário
Só que eu fiz o contrario do que o João de Barro fez
Nosso senhor, me deu força nessa hora
A ingrata eu pus pra fora por onde anda eu não sei 

Às vezes tem-se a impressão que desfazer mitos pode servir apenas para apagar uma parte do folclore ou desmentir as estórias que, apesar de mentirosas, fazem parte do encantamento de nossas fantasias infantis. Mas neste caso em particular, este mito deve ser realmente desfeito, pois faz parte da imagem distorcida que o ser humano faz da natureza, atribuindo aos bichos defeitos e imperfeições próprios apenas do ser humano.

 

O joão-de-barro não trabalha aos domingos

 

Este mito foi documentadamente desfeito em uma filmagem da construção do ninho do joão-de-barro feita por Demis Bucci

   

A alegada toxicidade da espatódea, Spathodea campanulata, para beija-flores

 

Encontra-se aqui e ali informação de que a espatódea, Spathodea campanulata, árvore originária da África, em nosso meio introduzida pelo seu grande potencial ornamental, é venenosa para beija-flores e também para abelhas e outros insetos. Numa pesquisa rápida na Internet já se pode achar diversas menções deste tipo, até em trechos de prosa: “Os lírios-do-brejo pouco têm de acanhados, não é? E a espatódea amarela, que não envenena passarinho, que enorme!” [Os Jardins de Cristina. Jornal de Jundiaí] [a espatódea amarela é uma sub-espécie de S. campanulata]. De científico mesmo só é sabido que a planta tem de fato princípios ativos, já notados pelas populações nativas da área de ocorrência natural da espécie, onde a planta é utilizada para fins medicinais. Tem um alcalóide que produz alucinações como principal sintoma da intoxicação. É também comprovado que tem ação letal para alguns insetos, o que já causou preocupação entre apicultores. Um estudo feito em nosso meio [Trigo, J. R. & Santos, W. F. (2000) Insect mortality in Spathodea campanulata Beauv. (Bignoniaceae) flowers. Rev. Brasil. Biol. 60(3):537-538.] explica que a defesa química de Spathodea visa impedir que o pólem e o néctar seja roubado por insetos antes da antese, reduzindo ou evitando a polinização por vertebrados. Além da proteção química, a mucilagem da planta atua mecanicamente, “sufocando” as abelhas. Da mesma forma, a proteção química pode não estar relacionada aos ladrões de pólem ou néctar, mas aos herbívoros em flores.

Portanto, o mais provável é que o néctar não tenha efeito tóxico para os polinizadores vertebrados (além dos beija-flores são citados morcegos e possivelmente lêmures), o que não seria de fato interessante para a planta. Diversos observadores de aves relataram que nunca observaram beija-flores com qualquer sinal de debilidade ou mortos próximo a estas aves, a despeito de as frequentarem com grande avidez. Trata-se certamente então de uma falsa suposição, a de que beija-flores também seriam envenenados pelo néctar da espatódea, com base apenas no fato de este envenenamento está comprovado no caso de alguns insetos.

   

Bebedouros para beija-flores como causa de candidíase nas bocas dessas aves

 

Luiz Fernando Figueiredo explica que a candidíase é uma infeção (micose) causada por um fungo, a Candida albicans. É uma afecção que acomete também o ser humano e diversos outros animais. Uma manifestação comum dessa doença é o conhecido "sapinho" que às vezes aparece na boca de crianças pequenas. É uma infecção "oportunista", ou seja, aproveita-se da queda de resistência imunológica do organismo para instalar-se. No caso de crianças, decorre do tato de sua resistência imunológica estar ainda em fase de formação. Também é comum em diversas outras situações que envolvem queda da resistência imunológica, como nos casos de AIDS.

 

A informação de que bebedouros para beija-flores com água açucarada pode acarretar candidíase nas bocas destas aves foi dada inicialmente pelo naturalista do Espírito Santo Augusto Ruschi, criador do Museu de Biologia Prof. Mello Leitão. O que deve ter acontecido é que Ruschi mantinha beija-flores em cativeiro e estes, em função desta condição, por deficiência alimentar (deficiência de proteínas) e mesmo pelo estresse do cativeiro tiveram suas defesas imunológicas deprimidas, favorecendo aquisição da candidíase.

 

Esse relato do Ruschi foi reproduzido por outros autores e acabou também ganhando grande divulgação na imprensa tornando-se um mito muito difundido entre a população. Muitas vezes até essa doença é referida como um tipo de câncer.

 

o há, entretanto, comprovação científica de que beija-flores em liberdade (podendo desta forma procurar na natureza os alimentos que os suprirão de suas necessidade protéicas e outras) desenvolvam candidíase pelo fato de frequentarem bebedouros com água açucarada. Há diversos locais, que até se transformaram em destinos famosos de observadores de aves, que utilizam um grande número de bebedouros para beija-flores que são frequentados por um grande número de indivíduos e espécies, e que relatam não encontrarem beija-flores mortos ou com a aparência de estarem doentes. Da mesma forma, nos Estados Unidos, onde essa prática de atração de beija-flores é também muito usada, não há indicação de que este tipo de problema tenha sido observado.

 

De qualquer forma, quem for oferecer água com açúcar para beija-flores deve seguir certos princípios higiênicos, como faria ao oferecer alimento para qualquer outro animal. Ninguém deixará comida mofada para seu cachorro, não é? Deve-se assim usar bebedouros que comportem uma quantidade de água com açúcar que se esgote ao final do dia, quando então deverão ser recolhidos e bem lavados antes de novamente usados. Para a limpeza do interior pode ser usada essas escovas de lavar mamadeiras. Periodicamente os bebedouros podem ser também desinfetados deixando-os em uma solução de um litro de água com uma colher de sopa de água sanitária, durante 30 minutos.

 

Água do abastecimento público não pode ser dada a beija-flores por conter flúor

 

No ser humano, cuja fisiologia neste aspecto deve ser igual ou parecida à dos beija-flores, defende-se que a quantidade de fluor necessária para causar eventuais problemas é bem maior que a usualmente ingerida na água de abastecimento público. O flúor em excesso no organismo é eliminado urina, não se depositando nos tecidos. Da mesma forma, quando o aporte pela água ou alimentação é grande, boa pare não é absorvida pelo intestino, sendo eliminada com as fezes. Não há estudos comprovando que o uso de bebedouros para beija-flores utilizando água do abastecimento público tenha causado problemas de saúde nessas aves pelo flúor.

 

Gralhas-azuis que plantam pinhões

 

Fernando Costa Straube, no trabalho "A lenda da gralha-azul: uma análise histórica e ornitológica" esclareceu que essa gralha pode às vezes estocar pinhões me meio à ramagem das árvores, fendas de galhos ou no miolo do xaxim, porém dificilmente descem ao chão. Vitor Piacentini (em mensagem ao grupo de discussão Ornitobr) levantou a hipótese de que essa lenda poderia ter surgido do fato de que uma ave dos Estados Unidos, o Blue Jay, Cyanocitta cristata, costuma enterrar sementes (principalmente de carvalho) no chão. A simples tradução de seu nome popular para "gralha-azul" e a menção de seu comportamento de enterrar sementes já poderia gerar a confusão com nossa gralha-azul.

   

Aves que matam seus filhotes aprisionados, com frutos venenosos

 

Segundo Francisco Mallet-Rodrigues, em mensagem no Ornitobr, em 17/7/2005, muitos passarinheiros retiram filhotes dos ninhos, mas não permitem que os pais se aproximem da gaiola com os filhotes por acreditarem que os ninhegos serão mortos pelos pais com certos frutos. Seria um gesto de libertação dos filhotes pela morte. Na verdade, muitos desses filhotes morrem por razões óbvias, mas os passarinheiros não conseguem admitir isso, então criam esses mitos.

   

O bem-te-vi que denunciou Jesus Cristo

 

Diz uma lenda que o bem-te-vi foi quem denunciou Jesus Cristo, quando procurado pelos Judeus. Outra versão da lenda diz que a denúncia foi feita quando Jesus era menino e seus pais fugiam com ele para o Egito, para evitar ser morto. Por conta disso é tido em alguns lugares como pássaro amaldiçoado e há relatos de que chega a ser perseguido por isto.

 

 

Referências:

Ihering, R. (1940) Dicionários dos animais do Brasil.

Nomura, H. (1996) Avifauna no folclore.

Spalding, V. (1955) Tradições e superstições do Brasil Sul.

 

A lenda da águia

É muito difundida a lenda de que a águia (não é indicada a espécie), depois de viver 40 anos, apresenta-se com o bico, unhas e asas muito desgastados. Então, ela recolhe-se ao alto de um montanha, e bate com os bicos na rocha até este cair. Em seguida nasce um novo bico e então ela arranca as unhas, esperando-as crescerem de novo. Com estes, arranca as penas das asas. Por fim, com todas essas partes renovadas, após 120 dias, ela vive ainda mais 30 anos, atingindo a longevidade de 70 anos.

Esse fenômeno não acontece, claro. Na verdade tanto o bico quanto as unhas das águias (e de outras aves) são renovados continuamente, pois vão se desgastando com o uso. Anualmente as penas caem e são substituídas por outras. Mas essa queda não ocorre de uma só vez, o que impediria a ave de voar (isto acontece com alguns patos), e sim sincronizadamente. Sabe-se também que as águias não vivem 70 anos, mas em média 30.

Não se sabe com certeza a origem dessa lenda. Alguns a atribuem a uma passagem da Bíblia (Salmos, Cap. 103) que diz o seguinte:

... Ele é quem perdoa todas as tuas iniqüidades;
... quem farta de bens a tua velhice, de sorte que a tua mocidade se renova como a da águia...

Ou pode ter surgido da a partir da mitologia grega, onde a ave Fênix, após morrer queimada, renasce das cinzas.

Essa lenda tem sido usada como símbolo de processos de auto-ajuda, de renovação da pessoa.

Municípios brasileiros com nomes de aves ou referentes a aves

Logradouros na cidade de São Paulo e Grande São Paulo, com nomes de aves

Aves símbolo de estados e municípios brasileiros

Datas comemorativas das aves

28 de abril: Dia do Observador de Aves

8 de maio: Dia Mundial das Aves Migratórias

5 de outubro: Dia Nacional das Aves

Aves recordistas

Mergulho em vôo mais rápido, 270 km/h: Falcão-peregrino, Falco peregrinus. (Guiness Book)

Corrida mais rápida, 72 km/h: Avestruz, Struthio camelus. (Guiness Book)

Ave de rapina mais pesada, 9-12 kg: Condor-dos-Andes, Vultur gryphus. (Guiness Book)

Vôo mais alto, 11.300 m: Gyps ruepellii. (Guiness Book)

Maior ave viva, 2,75 m: Avestruz, Struthio camelus. (Guiness Book)

Maior águia, 97 cm: Harpia, Harpia harpyja. 

Maior ovo, de ave viva, 2,35 kg: Avestruz, Struthio camelus. (Guiness Book)

Maior ovo, de ave já existente, 34/24 cm: Ave Elefante, Aepyornis. (Welty 1975)

Menor ave viva: Beija-flor-de-helena, Mellisuga helenae. Vive em Cuba, mede 2,75 polegadas. O bico e cauda representam metade desse comprimento.

Menor ave de rapina: Micrphierax fringlius, do sudeste da Ásia e M. latifrons, de Borneo.

Menor psitacídeo: gênero Micropsitta, de Papua e ilhas vizinhas.

Menor ovo, <10 mm de comprimendo: Vervain Humminbird, Mellisuga minima, Madagascar. (Welty 1975)

Maior ninho, 2,9 m, Estados Unidos: Haliaeetus leucocephalus. (Guiness Book)

Maior longevidade em cativeiro, > 100 anos: cacatuas. (Welty 1975)

Maior distância percorrida em migração, 63 mil km em um ano (equivalente a uma volta e meia na Terra), bobo-escuro, Puffinus griseus. Se reproduz no verão austral do Chile a Nova Zelândia, migrando para o norte do Pacífico. (Ciência p. A16)

Veja outros recordes.